Meu cantinho ...

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Imortal

Músicas: Imortal
(Paulo Moretti)

( 17\08\2011)


O Sonhador mantém a esperança
Escrita em infintas galáxias dentro de nós 
A Morte dança e a Vida canta
Para deixar nos campos seus girassóis... 


Eu quero ver as águas e reconhecer
A Face Divina da Sagrada Mãe Vida
E pétalas ao mar em manhãs oferecer 
Para pode manifestar Infinita Alegria...


O Poeta aprende a enxergar com o coração
Caminhando descalço no seu mundo de irmãos
Acorrentados e entregues pela sedução
Aprisionados  e rebeldes da solitária ilusão

(Refrão ) 

Eu quero ver o Sol todas às manhãs 
E ser abençoado pelos braços de Ísis
E quero poder ver a os rituais das pagãs
E ser abençoado com a força de Osíris 


O Seu reflexo ...






Música:  O seu reflexo 
(Paulo Moretti) 


Caminhando, sou um solitário lobo
Buscando sobreviver por mais um dia 
Seguindo seus sonhos contra o fatal sopro
Buscando a liderança de sua própria vida ... 


Um soldado seguindo suas próprias leis 
Por um mundo onde não exista reis 
Um soldado que guarda suas armas na sombra
Um herói sujo que segue mesmo sem força ...


Uivando sua dor, sou um rebelde lobo
Dançando no inferno que construí 
Eu sou o sagrado e eu sou o profano
O que será de mim?  


Um acorrentado arcano
Percorrendo os desertos de si mesmo
Um livre demônio 
Que é apenas o seu próprio reflexo ... 

sábado, 19 de novembro de 2011

Pamela


( Desenho Pamy Bueno)



Música: Pamela
( Paulo Moretti)


   Minha menina, não fique triste assim 
   Pamela, Pamela
   Nossa história será sempre feliz 
   Pamela, Pamela ...


      Um olhar carente e um doce beijo
      Um desenho da gente, enquanto eu penso
      Frente a frente, pureza nos teus olhos eu vejo
      Estou quente e suas mãos frias eu desejo ... 




         Minha menina, não fique triste assim
         Pamela, Pamela
         Nossa história será sempre feliz
         Pamela, Pamela ...


           Nós apenas acabamos de nos conhecer 
           E teremos que nos esforçar para o amor vencer
           O meu coração está calejado,
           Meus sentimentos foram congelados ... 



               Minha menina, não fique triste assim
               Pamela, Pamela
               Nossa história será sempre feliz
               Pamela, Pamela ...


                  Quando a tive em meus braços
                  Era como se o mundo tivesse parado
                  Venha, acompanhe os meus passos 
                  E viva o que foi tão esperado ...









domingo, 6 de novembro de 2011

Solange, não preciso de heróis




Música : Solange, não preciso de heróis
( Paulo Moretti)

Solange,eu não preciso de heróis
Tenho os meus amigos
E quando o sapato aperta e dói ...
Corremos descalços sorrindo ! ( 4 vezes)

Vamos sorrir muito de tudo isso
Quero estar com você numa tarde de domingo
Vou virar a noite cantando
Para ouvir os homens que passam o dia mentindo


Eu não preciso de herói
Tenho os meus amigos
E quando o sapato aperta e dói...
Corremos descalços sorrindo! (4 vezes)


Eu só queria estar com você no mar
Beijando a sua boca até o dia amanhecer
Estarei com sono e ouvindo o engravatado falar
Sempre a mesma besteira... Vamos cantar !


Eu não preciso de heróis
Tenho os meus amigos
E quando o sapato aperta e dói...
Corremos descalços sorrindo ! (4 vezes)

Meditamos por um mundo melhor
Marchamos pela liberdade que cantamos em dó
Nossas músicas, são por um mundo mais humano
Onde não exista diferenças entre senhores e manos

Eu não preciso de herói
Tenho os meus amigos
E quando o sapato aperta e dói...
Corremos descalços sorrindo! (4 vezes)



quinta-feira, 14 de abril de 2011

O Cântaro do Mestre.




   Um jovem monge, que vivia num mosteiro no deserto, sentindo-se pouco inteligente e incapaz de guardar os ensinamentos espirituais recebidos procurou o seu mestre e disse-lhe:

   - Mestre, grave desgosto me acabrunha.  Apesar dos esforços constantes que faço, não chego a conservar na memória, durante muito tempo, as instruções que, para boa conduta na vida, recebo dos mestres. Vão, também, 
para o esquecimento, os trechos mais belos que leio, das grandes obras sagradas.


  O mestre tinha em sua cela dois cântaros vazios, e disse-lhe :


  - Meu filho toma um daqueles cântaros; joga-lhe um pouco d ' água; lavá-o depois cuidadosamente; enxuga-o com teu próprio hábito e deixá-o ficar no lugar em que está.


  Maravilhado, embora, com tais palavras, fez o jovem monge exatamente o que o mestre lhe determinara.


  Concluída a tarefa, o mestre lhe perguntou qual dos cântaros estava mais limpo, mais claro e puro.


  O jovem monge tomou nas mãos o cântaro que acabará de enxugar e respondeu:


  - Este, por certo, está mais limpo.  Lavei-o com muito cuidado.


  O mestre fez uma pausa para a reflexão e respondeu:


  - E, no entanto, repara bem, meu filho, este cântaro não tem mais vestígio da água que o purificou. Também aquele que ouve, confiantemente, os sinais do universo, embora não grave na memória o teor  dos preciosos e sagrados ensinamentos, trás um coração tão puro quanto um cântaro sagrado.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

O Porão.


 Música: O porão
 (Paulo Moretti)

 Perdida bala
 Sem caminho segue
 Sem destino, fere
 A navalha crua, afiada

 A luz apago
 Acendo a solidão
 Veneno trago
 Enquanto tranco o porão

 Porão que há dentro de mim
 Secas lágrimas, engavetadas
 Porão que há dentro de mim
 Tempestades de mágoas, engavetadas

 Um oásis para respirar
 Uma lótus para voar
 Um Nilo para navegar
 Uma simplicidade para amar

  Uma, duas, três e já eram quatro da manhã e caminhava em círculos para esquecer de mim mesmo, para me distrair acendia um cigarro barato com filtro vermelho, já fazia um tempo que tinha deixado o tabaco, só pensava em enlouquecer um pouco mais para buscar um sentido de existência pelos bares daquela fria noite, esperando o dia amanhecer pensamentos melhores...

  Resolvi aguardar um táxi, voltar para a casa como se não tivesse acontecido, como se as duras palavras de minha mãe sobre a vida teatral que escolhi para viver, não tivesse me entristecido. Mostrar indiferença, mostrar que o meu sonho era era inabalável, apesar de estar profundamente desapontado por ela não respeitar as minhas escolhas e tentar manipular a minha vida sempre. 

 Eu não conseguia enxergar as estrelas. Um imenso véu escuro de nuvens cobria a face bela da lua e o céu desabava em águas. Os postes permaneciam imóveis, com suas luzes acesas, iluminando a ansiedade de meus pensamentos, pensava observando os carros que passavam sem parar: " Um dia vou abandonar essa merda de casa e viver a minha vida", mas nem sempre o que é correto está em harmonia com os sentimentos dentro de nosso coração. O pior, o espetáculo daquela noite havia sido cancelado por falta de público.

 Um mendigo aproximou-se e meio constrangido me pediu cinqüenta centavos para tomar alguma coisa para aguentar o frio. O mendigo tinha quase a minha idade, expressava-se bem com as palavras eu o perguntei:

 - O que faz pelas ruas? Você não tem uma familia que o espera?

 - Tenho sim. O meu pai é um renomado médico e sonhava que eu fosse um grande médico igual a ele e mantivesse a tradição da medicina em nossa familia. O meu irmão caçula era um empresário bem sucedido e queria que eu me mirasse no seu exemplo. Minha mãe queria que eu refletisse sobre a história de vida de meu avô, que foi um grande negociante e começou a sua vida vendendo lençóis de casa em casa. Meu irmão mais velho envaidecia-se por escrever para um jornal muito respeitado e todos em minha casa o usavam como exemplo durante o café da manhã. E um dia fiquei pensando, que o mesmo acontecia com as pessoas que conhecia em minha vida. A  professora Maria Adélia na escola, o meu mestre Fu de caratê . Todos acreditavam que eram um bom exemplo a ser seguido, como aquilo me revoltava. Ninguém me reconhecia como ser humano que tinha também desejos, necessidades, sonhos. Eu estudava artes plásticas e me internaram em um hospício por isso, minha familia achava que só poderia ser loucura, que eu tinha enlouquecido, redusiram-me a um louco um hippie sem grandes objetivos na vida, um perdedor, nada mais. Um dia resolvi partir e não olhar mais para trás, nessas ruas eu posso ser livre, eu posso ser eu mesmo.

 Nos despedimos.

 Voltei para casa com uma imensa força em meu coração, decidido que iria viver a minha vida da maneira que eu quisesse de agora em diante, eu era o dono de meu destino e não aceitaria mais nada que fosse-me imposto por qualquer um que seja, mesmo a minha mãe que tanto amo. 

Escolhi ser um ator, amo a minha profissão e se um dia quebrar a minha cara já serei feliz por ter tentado.

video







  

  
  

segunda-feira, 14 de março de 2011

A ampulheta.




 Quando abrimos a porta e deixamos um novo amor entrar, tudo dentro e fora de nós transforma-se...


 A ampulheta mágica do tempo segue com serenidade o seu percurso. Nenhuma força na natureza pode alterar a sagrada ampulheta que transforma os bosques e os jardins com o seu sopro, determina em ciclos os nossos sentimentos, ações, pensamentos e emoções nos lançando no misterioso jardim da vida e nos deixando a apenas a consciência que existe um começo, um meio e um fim para tudo nesse universo.


 Minha reverência é destinada a ampulheta do tempo e a ofereço incenso de lavanda, velas brancas e pétalas de rosas vermelhas.


  Ofereço as rosas vermelhas para que sempre seja o maior símbolo  de amor.  Sempre como um símbolo de liberdade, alegria e paz.
  
  Aquele puro e sagrado amor que é cantado em voz alta pelo coração , enquanto oferecemos ao mar nossos mais lindos sonhos. Quando tropeçamos na esquina e encontramos a nossa esquecida fé, a fé em nós mesmos. Enxugando as lágrimas que um filme pode nos arrancar. Levantando um copo de cerveja e oferecendo um brinde aos amigos que nunca nos abandona, mesmo com todo o nosso repertório de defeitos.


  A verdadeira aventura começa quando podemos reconhecer o amor presente nas pequenas coisas do nosso dia a dia, então estaremos preparados para encontrar o nosso maior amor. 


 Talvez eu tenha cantado milhares de canções sobre o amor, por não acreditar que o amor pudesse realmente existir, o amor existe . Descobri o meu grande amor, quando pude ver aquele olhar que acelerou o meu coração, minhas mãos suarem frio, minhas palavras ficarem presa na garganta e me fazerem gaguejar para a mulher que me faria recitar em sua homenagem os poemas mais lindos que existem no mundo.

 Sagrada ampulheta , hoje me inclino diante de ti para que possa atender o pedido desse viajante das estrelas que encontrou a luz onde deixará o seu coração. Peço, toda vez que a lembrança me pegar pelos pés e me empurrar para o mar de pensamentos que me levam até o jardim onde encontro Maria Clara, que nos ensine descobrir a força necessária para que possamos entre beijos, enfrentar os dragões que insistem em tentar roubar a  alegria. Que possamos ter a confiança necessária percorrer os campos misteriosos que guardamos dentro de nós, e que possamos sempre cuidarmos , aprendermos, construirmos e amarmos um ao outro , porque Maria Clara em teus olhos eu reconheci a felicidade.


 A imensa, enigmática , suprema felicidade de encontrar você que me faz enfrentar os meus medos , que me faz buscar ser um ser humano melhor a cada dia, me faz cantarolar muitas canções na bobagem do acaso e que mantém acesa a chama de um puro amor, que nasce puro como nascemos puros para a vida.


 Ampulheta do tempo, por favor deixe nós vivermos a eternidade de um instante , abrigados em uma pausa fora do tempo e descobrindo o que existe de mais puro em nós: o amor .


 Amor não é se envolver com a pessoa perfeita, aquela dos nossos sonhos.
 Não existem príncipes nem princesas.
 Encare a outra pessoa de forma sincera e real, exaltando suas qualidades, mas sabendo também de seus defeitos.
O amor só é lindo, quando encontramos alguém que nos transforme no melhor que podemos ser.